Divagações, Viagens

Criado Solto: Farinha de Monjolo

Bom, pergunta que não quer calar. Monjolo? É, monjolo. Esse pilão gigante aí, movido à água. Maneira antiquíssima de fazer farinha, mais popular e mais rústica que as farinhas moídas em moinho de pedra. Muita gente só viu esses bichões mortos num canto de alguma fazenda antiga, sem funcionar. Vivão, assim, são poucos. E é lindo.

Muita gente acha que monjolo é coisa de índio – na verdade, parece que essa tecnologia foi trazida pra cá da Ásia. A galera só pilava as coisas com pilão até então. Tanto que foi uma ajuda e tanto pois além de não precisar alguém lá pilando o tempo inteiro, ele funcionava sozinho. Quando acabou a mão de obra escrava, o monjolo assumiu em muito o trampo que os escravos davam nas fazendas de café, descascando os grãos, o arroz e o milho.

O barulho da água, o barulho do pilão, o movimento leeeeento, madeira contra madeira, a água ali fazendo a gangorra. Pra fazer a farinha não é das coisas mais rápidas do mundo, mas vale cada dedo queimado e cada beiju que se forma. Você colhe o milho, seca o milho, debulha. Depois deixa os grãos de molho por cerca de uma semana ( ou mais ), para que eles “azedem”, ou seja, fermentem. Quê? Não sabia? Eu também não. Aprendi nessa viagem.

Daí você deixa eles pubando ( que nem a mandioca ) e quando estiverem já macios ( pois a fermentação transforma a textura ), você bota no monjolo pra pilar. Pila, pila, pila. O lema do monjolo é devagar e sempre . Pra torrar a farinha lá pelas 16hs, Joãozinho ( que construiu o monjolo com uma árvore que morreu lá na fazenda ) colocou os grãos as oito da matina. É, trampo hercúleo. Mas pelo menos quem fica lá trabalhando é o monjolo, não você. Tem até uma expressão: trabalhar de graça, só monjolo.

Pilado, você peneira a farinha em varias peneiras, mais grossa até mais fina: vai sair canjicão, canjica, canjiquinha…. e a mais fininha, o fubá. Que você leva pro tacho na lenha e faz beiju, que vira a farinha de milho flocada, beijuzenta, como eles mesmos chamam por lá. Varias horas e garrafas de cachaça depois, rolou até uma cabrinha amiga pra tirar leite e comer com a farinha recém feita.

#naturebaspaulistas

22/7/2018
Comente Compartilhe
×
Contato

Rua Professor Atilio Inocenti, 811,
Vila Nova Conceição, São Paulo

11. 3846 03 84

Não aceitamos cartões de crédito - Recomendamos reservas antecipadas - Mesas acima de 6 pessoas somente com reserva prévia de menu