Divagações

LUGARZINHOS NO RIO: VOLUBILIZANDO NO COCINELLE BISTRÔ – RJ


VOLUBILIZAR : verbo.

Originário do vinho natural francês “Volubilis”. Esse aí de cima.

Você volubiliza? Eu volubilizo!!

Eu volubilizo

Tu volubilizas

Ele volubiliza

Nós volubilizamos

Vós volubilizais

Eles volubilizam

Para quem não entendeu lhufas da brincadeira acima, explico: o Volubilis é um dos meus queridinhos brancos do momento ( sim, eu mudo de opinião facinho, facinho ). E para minha alegria, não é só por mim que ele é adorado. Temos já um pequeno séquito de fiéis que volubilizam. Volubilizar seria o ato de beber Volubilis. Mas é muito mais. É todo o conceito do vinho natural: é estar, bem, equilibrado, com pessoas ao seu redor que te acrescentam – e não que te sugam. É beber com vontade, é não ficar analisando o vinho a cada gole, é encarar a degustação e a bebedeira com a mesma seriedade e falta dela, ao mesmo tempo. Aproveitar a vida, pois ela é curta e os vinhos são muitos. Portanto, Volubilizemos!!

Volubilizamos desta vez no Cocinelle Bistrô, Rio de Janeiro, centro. Um lugar encantador. A chef Maya, japonesa, criou um cardápio inspirado do tradicional “bentô” japonês, mas com receitas típicas francesas. Todo dia tem uma coisinha nova, e …. tchan, tcha, tchan, tchan… vinhos naturais!! Uhuu! Estamos aumentando nossa laia! rsss

Fomos à esse cantniho especial à convite do Marco, da Bionysos. Uma degustação de alguns vinhos que ainda não existem no Brasil, para provarmos. Aliás, alguns daquela “caixinha” do último vídeo, lembram-se?

Estavamos eu e Rama, Maya e seu marido, o Ed Motta ( já é sabido que ele é fã dos vinhos naturebas! ), e os representantes do bistrô Bretagne, no Leblon.

A seleção de vinhos foi feita a partir do calendário biodinâmico. Era um dia raíz ( hmmm, acho que era, pelo menos…. ainda não fiz minha lição de casa e não sei analisar muito bem esse calendário ) e o Marco fez então uma degustação apenas de brancos, rosés e espumantes.

Enquanto isso, pequenas delicinhas feitas pela Maya surgiam na mesa quase que por um passe de mágica…!

Os vinhos foram bem diferentes um dos outros. Não vou citar os nomes para não estragar a surpresa….rs, mas entre eles tinha um rosé de gamay de beaujolais, um sancerre sem sulfito algum, um espumante do loire que estava lindíssimo, um rosé com maturação em barricas de acácia… enfim, perolazinhas da viticultura natureba.

Precisa de mais alguma coisa?? Acho que não, né?

Prometi para mim mesma que quando estiver novamente no Rio, tenho que almoçar lá.

Pra finalizar, “matamos” alguns vinhos que estavam no final da garrafa ( como prova aquela minha foto comprometedora ali em cima ), demos uma passeada pelo centro do Rio, e desembarcamos na Pizzaria Guanabara, na Lapa. Afinal, a larica estava grande.

Claro que pizza é em Sampa….. mas até que ela estava gostosa. Tirando que no dia seguinte eu não consegui comer nada o dia inteiro – a pizza deu alguma “reação” estranha no me organismo ( juro que não bebi muito, gente! ) e me deixou  como se eu tivesse comido um boi inteiro, cru, de noite! rsss

Travessa do Comercio 11, 20010-080 Rio de Janeiro, Brazil 



Telefone 2122248602


Website http://www.coccinellebistro.com.br

Pra finalizar, gente, olha que coisa mais fofa…. chuchuzitos orgânicos! Petitssss!!! Lindos! Usaria como brinco! rsssss

Saúde!!

1/3/2012
Comente Compartilhe
×
Contato

Rua Professor Atilio Inocenti, 811,
Vila Nova Conceição, São Paulo

11. 3846 03 84

Não aceitamos cartões de crédito - Recomendamos reservas antecipadas - Mesas acima de 6 pessoas somente com reserva prévia de menu